Nelson Rodrigues e a psicanálise

O paradoxo do sujeito na vida como ela é

R$39,00

Em estoque

Nelson Rodrigues e a psicanálise

R$39,00

ISBN: 9786559053919 REF: 9786559053919 Categoria:

Nelson Rodrigues era uma máquina de escrever. Publicou dezessete peças, oito romances, milhares de contos e um número incalculável de crônicas sobre futebol, política, comportamento e memórias. Acusado de tarado pela direita e de reacionário pela esquerda, deixou um legado vastíssimo e paradoxal, que marcou a história do teatro, do jornalismo e da literatura no Brasil.

Paradoxal foi também sua posição frente à psicanálise. Na mesma medida em que maldizia o nome de Freud, Nelson demonstrou, com suas criações dramatúrgicas e ficcionais, o funcionamento do sujeito freudiano. Um sujeito dividido, em conflito, às voltas com os limites civilizatórios à livre satisfação de pulsões sexuais e agressivas. Pulsões de vida e de morte. Um sujeito paradoxal.

Neste livro, que entrelaça a obra rodriguiana à freudiana, Fernanda Hamann se detém especialmente sobre contos que o escritor brasileiro publicou no jornal carioca Última Hora. Entre 1951 e 1961, a famosa coluna A vida como ela é… funcionou como um espaço revelador de verdades articuladas sob a forma de ficção, tendo o desejo como mola propulsora das narrativas — o desejo negado, recalcado, inibido, que se torna mais poderoso quando proibido. Em contraste com as opiniões pessoais de um homem que cultivou uma imagem pública moralista e ultraconservadora, a autora destaca o caráter subversivo e revolucionário da ficção de Nelson Rodrigues, perturbadora como o próprio desejo, motor da vida como ela é.

[Livro em pré-venda – envio a partir de 31/5]

Número de Páginas

Ano

Formato

Edição

Selo

Este site usa cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.