O mundo na “Era Atômica”

O Brasil e a “Guerra Fria” (1945-60)

R$58,00

Em estoque

O mundo na “Era Atômica”

R$58,00

ISBN: 9786559052837 REF: 9786559052837 Categoria:

Quando pensamos em Fernando de Noronha imaginamos o paraíso, um arquipélago cheio de encantos da natureza, lazer e praia. Quando pensamos na “Guerra Fria” imaginamos um duelo ideológico e político entre os grandes poderes políticos da Euroásia e os Estados Unidos. O livro O mundo na “Era Atômica”: o Brasil e a “Guerra Fria” (1945-60) nos oferece uma história até agora escondida tanto da chamada “Guerra Fria” quanto de Fernando de Noronha. A história aqui mostrada é pouco contada nos livros de História do Brasil ou sobre as relações internacionais, mas é de extrema importância para entender como o Brasil se situava no âmbito internacional nos anos imediatamente depois da Segunda Guerra Mundial. Ou seja, entender a relação entre o Brasil e a “Era Atômica” é compreender o lugar do Brasil no mundo.

Tácito Rolim nos navega por esta história, a base de pesquisa rigorosa em arquivos internacionais, passando primeiro pelo contexto nacional da diminuição de importância estratégica da América Latina no pós-guerra. Através desta leitura, aprendemos que, enquanto durante a Segunda Guerra Mundial o Brasil e outros países latino-americanos tiveram importância estratégica para os Estados Unidos, no sentido de prover bases militares e matéria-prima estratégica, durante a Guerra Fria o Brasil não teve mais essa importância estratégica imediata e insubstituível, diminuindo assim o poder da barganha.

Mesmo assim, o governo brasileiro conseguiu tirar proveito do interesse dos norte-americanos no arquipélago de Fernando de Noronha, cedendo-o para a construção de uma estação de rastreio de mísseis e foguetes teleguiados. Em troca, o Brasil exigiu e através de intensas negociações, conseguiu empréstimos e melhorias na infraestrutura militar e no material bélico. A importância estratégica do Brasil – ou mesmo do Nordeste brasileiro de novo foi geográfica: a sua localização permitiu rastrear os misseis ICBM lançados do Cabo Canaveral. No final, o que permitiu a participação do Brasil na “Guerra Fria” não foi a ideologia, nem a política, senão um apoio no conjunto nuclear. Este momento no qual o uso de Fernando de Noronha foi indispensável, que Rolim chama de “renascimento estratégico”, foi o único momento durante a Guerra Fria em que o Brasil teve poder de barganha por causa de importância estratégica.

Tácito Rolim nos mostra que a “Guerra Fria” não se define apenas pelo antagonismo político e ideológico mas também pela criação de armas nucleares tão poderosas que podem realizar a autodestruição da raça humana. A partir desta constatação, cria uma nova abordagem chamada de “abordagem nuclear” que incorpora o antagonismo político e ideológico com outros fatores relevantes para a análise: “o medo, a angústia e o receio” do possível uso das armas nucleares, do poder de autodestruição humana.

Assim, Rolim nos mostra a importância de desdobrar as relações e articulações entre conjuntos históricos globais, como a chamada “Era Atômica” e a “Guerra Fria”, e nos ensina a importância de prestar atenção não apenas nas ações de governos nacionais, mas também no contexto de localidades específicas.

Courtney J. Campbell
University of Birmingham

 

 

O livro, resultado de suas pesquisas no doutorado, trata das relações entre Brasil e Estados Unidos entre o final da Segunda Guerra Mundial e durante os anos 1950. O leitor interessado na Guerra Fria e o lugar do Brasil no conflito vai se deparar com ideias originais e inovadoras. Tácito compreende a Guerra Fria como período de continuado e acirrado conflito político e ideológico entre os Estados Unidos e a União Soviética desde o final da Segunda Guerra Mundial. Mas ele inova a análise. Aos componentes políticos e ideológicos da Guerra Fria, ele agrega elementos tecnológicos que tornaram fria a guerra, impedindo a eclosão do próprio conflito que destruiria a humanidade. Tácito compreende a Guerra Fria como conflito entre capitalismo e comunismo, mas que não está dissociado de repertório tecnológico, como bombas termonucleares e mísseis balísticos intercontinentais. Os dois componentes congregam o que ele chama de abordagem nuclear.

Jorge Ferreira
Professor Titular aposentado de História do Brasil da Universidade Federal Fluminense

Número de Páginas

Ano

Formato

Edição

Selo

Coleção

Este site usa cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.